18 de nov de 2016

Pensão x Amor.



Esses dias uma pessoa, que tenho apreço por sinal, veio dizer que pensava "diferente de mim" e que a presença do pai é mais importante do que a pensão. Disse também que se pudesse, abriria mão e diria ao pai do filho dela, que ele não precisava pagar. Tão boazinha que eu gostaria de lhe dar o prêmio de santa mulher. Todos sabem o quanto sou revoltada com a pensão irregular que recebo e as milhares de desculpas que o pai dos meus filhos dá pra não pagar. Uma dessas desculpas, é que sou filha de "pai rico" e não preciso.

Imagine vocês tendo que pedir dinheiro a um pai que já disse a você que se vc "continuar com essa frescura de feminismo", não lhe ajuda mais. Olha que maravilha que é. Imaginem como me sinto em ter que pedir todas as vezes. Um mini infarto a cada vez. Mesmo assim, deixo meu orgulho de lado e ele me ajuda sempre. Mesmo com as diferenças, amo meu pai. Porém, meu pai não tem o dinheiro disponível assim, como o pai de meus filhos pensa, pra estar me salvando toda hora. Quisera eu que fosse assim.
Outra amiga me disse que não precisava de pensão e que pagava as contas sozinha e que achava "até bom" isso. Lembrei de mais outras e outras que dizem se orgulhar de criar seus filhos sozinhas e dizem não precisar do pai dos filhos, "graças a deus". Veja que contraditório: elas dizem que não precisam, ou que se pudessem pagar sozinhas as contas, pagariam. O dinheiro não importa, mas a presença do pai, salientam que é importante. Quer dizer então que só presença importa? Amigas, desculpem, mas é hipocrisia. Se vc diz que não quer pensão nem presença, ainda entendo, mas mesmo assim, é egoísmo seu pq vc não pode se apossar de seu filho. Se o pai quer ver, quer compartilhar a guarda, tem direito. Igual a vc. O mundo dá voltas e se um dia você tiver na merda, não conseguir fazer feira direito, ter não ter os boletos das mensalidades deles pagos, eu duvido que você continue com esse discurso. 

Enquanto você está vivendo apertada, mas consegue viver bem, está tudo ok. Fica até bonita a sua medalha de guerreira no peito, enquanto a minha de "reclamona", é feia. Mas e se um dia você tiver desempregada? Vai romantizar o fato de estar embaixo da ponte e o pai de seus filhos com pensão atrasada chegando la na ponte pra visitar os filhos, descendo do seu carro com ar condicionado e roupa passada pela diarista? Vai???? Vai continuar bancando a Madre Tereza de Calcutá, dizendo que o amor dele é que importa??? Diz isso quem nunca passou pelo aperreio de ver as coisas faltarem, como eu e muitas outras vemos acontecer várias vezes na nossa casa. Diz isso quem nunca chorou no dia que a dívida da escola chegou a um montante que você sabe que fica impossível pagar sozinha.

Diz isso quem aprendeu que machismo é normal, que filho é mais da mãe e fica com esse discurso heroico pra aparentar melhor pessoa, melhor mãe.

Me lembro também de uma amiga feminista que não conseguiu deslanchar na sua vida profissional ( um de seus argumentos é não ter com quem deixar os filhos, mas esse argumento não tem valor perante a sociedade, pois sempre aparece alguém pra dizer uma história linda da mulher que levava os filhos pro trabalho e ficou milionária, não é mesmo? Basta querer e se esforçar, migas). A mulher entrou em depressão e hoje tem q viver de ajuda de parentes. Até já foram atrás de pedir ajuda a uma tia dela rica que defendeu, em uma dessas tretas de internet, um filho que postou que feministas são lixo da humanidade. Alguém duvida que essa tia está colaborando pra sair de "olha só quanta ingratidão" dessas feministas? Eu não duvido. É, essa moça não recebe pensão, vive de ajuda, mas ela mesma já saiu com esse discurso de que o pai seria mais importante do que a pensão. Anham, massa. E tu aí vivendo e se alimentando de humilhação. Trofeu heroina para as super mães que desprezam dinheiro e acham que amor resolve tudo e troféu de coitadinha pra tu. Legal. Massa mesmo.

Seguinte, eu não defendo que dinheiro é melhor que presença, por favor, não distorçam. O que eu defendo é que esse departamento, da presença, afetividade e amor do pai, não é das mães. Não se cobra amor. Se cobra pensão. Principalmente quando nos divorciamos. É um vínculo que o pai dos filhos deve criar com os filhos e nós não temos mais participação. Cabe a nós segmentar isso e explicar ao nosso filho que não somos mais uma família. Não temos mais direito do que o pai. As responsabilidades são iguais. Não somos obrigadas a intermediar essa relação quando não temos uma energia afinada com nosso ex. É claro que uma relação de amizade é o ideal, mas nem sempre é possível. No meu caso, é impossível. Nossas energias não se batem. Não falo com gente que me traz energia negativa, simplesmente pq não sou obrigada.

Super mães perfeitas, não querem pensão pq ganhou na mega sena? Aconselho que faça uma poupança e não abram mão desse dinheiro, pois um dia você pode sofrer um golpe da vida, dar um close errado investir mal e perder tudo. Aí esse dinheiro não é pra vc, é pra salvar seu filho da miséria. Vc continua embaixo da ponte, mas dá ao seu filho, se ele for de menor, vc chama alguém pra cuidar dele e se ele for de maior, ele mesmo administra seu dinheiro, pode ser? 

Ahhh tem também os que sentem pena dos pais alegando que eles não podem pagar. Mas as mães, se ralam toda e fazem malabarismos pra sustentar. Pedem ajuda de parente, empréstimo no banco e o escambau. Os homens, não. Todos com pena deles que "não podem pagar", mas tem uma vida normal conforme as redes sociais mostram. Praça de alimentação, boas roupas, até abrir negócio novo, o pai dos meus abriu. Nunca achei que era fácil pra ele pagar, jamais achei. Mas será que sou mesmo tão fria e insensível por cobrar que este cara colabore com o que pode de forma regular? Será mesmo que essa minha cobrança incansável ( ja botei na justiça e não deu em nada) é motivo pra ser alvo de crítica nas rodinhas de família que me chamam de radical e dizem que eu só penso no dinheiro e não no bem estar dos meus filhos? Aliás, como se não fosse intrínseco, né. Quem já viu bem estar sem contas pagas? Sem dinheiro pra aquela terapia que seu filho tanto precisa? Sejamos realistas.

E homens do meu Brasil, se vocês não conseguem pegar os filhos de vocês, se argumentam que a mãe impede, provem isso na justiça e ganhem esse direito por lei. Pq é fácil vcs serem ausentes e transferir toda essa culpa enrustida pra as mães. Não pagam pensão? A culpa é da mãe. Não veem os filhos? A culpa é delas também, claro. Em tempos de internet, celular, wts, Skype e tudo que a tecnologia oferece, ainda é mais fácil culpar a mãe. Acreditem se quiser, mas já ouvi um: " ela não me passa o contato deles". Gente, gente, gente. Caiu uma lágrima de solidariedade. É muito coitadismo. Isso não é verdade, nunca neguei quando foi pedido, mas caso negasse, vai ali compra um chip entrega pra teu filho, porra. Se mora longe, pega um avião, vem falar com teus filhos se eles são mesmo importantes pra você. Contribui com a passagem pra eles irem pra tua cidade, em vez de se escorar e esperar que essa mãe já fudida, segurando a onda quase que sozinha, pague. Se essa mãe ainda assim sabota a comunicação, entre na justiça e prove que há sabotagem. Sabe pq esse tipo de cara não busca seus direitos na justiça? Pq no fundo, sabe que essa fantasia vitimista e esquizofrênica existe só na cabeça deles.

Até quando seremos culpadas de tudo e julgadas até quando cobramos um direito que é de nosso filho?

Sim, faço questão das pensões atrasadas. Até pq no meu ponto de vista, pagar pensão é uma das formas de demonstração de amor, comprometimento, responsabilidade. As vezes tenho a impressão que vou morrer sem a justiça conceder esse direito aos meus filhos, mas jamais abrirei mão.

#MeJulguem


Pensão x Amor.



Esses dias uma pessoa, que tenho apreço por sinal, veio dizer que pensava "diferente de mim" e que a presença do pai é mais importante do que a pensão. Disse também que se pudesse, abriria mão e diria ao pai do filho dela, que ele não precisava pagar. Tão boazinha que eu gostaria de lhe dar o prêmio de santa mulher. Todos sabem o quanto sou revoltada com a pensão irregular que recebo e as milhares de desculpas que o pai dos meus filhos dá pra não pagar. Uma dessas desculpas, é que sou filha de "pai rico" e não preciso.

Imagine vocês tendo que pedir dinheiro a um pai que já disse a você que se vc "continuar com essa frescura de feminismo", não lhe ajuda mais. Olha que maravilha que é. Imaginem como me sinto em ter que pedir todas as vezes. Um mini infarto a cada vez. Mesmo assim, deixo meu orgulho de lado e ele me ajuda sempre. Mesmo com as diferenças, amo meu pai. Porém, meu pai não tem o dinheiro disponível assim, como o pai de meus filhos pensa, pra estar me salvando toda hora. Quisera eu que fosse assim.
Outra amiga me disse que não precisava de pensão e que pagava as contas sozinha e que achava "até bom" isso. Lembrei de mais outras e outras que dizem se orgulhar de criar seus filhos sozinhas e dizem não precisar do pai dos filhos, "graças a deus". Veja que contraditório: elas dizem que não precisam, ou que se pudessem pagar sozinhas as contas, pagariam. O dinheiro não importa, mas a presença do pai, salientam que é importante. Quer dizer então que só presença importa? Amigas, desculpem, mas é hipocrisia. Se vc diz que não quer pensão nem presença, ainda entendo, mas mesmo assim, é egoísmo seu pq vc não pode se apossar de seu filho. Se o pai quer ver, quer compartilhar a guarda, tem direito. Igual a vc. O mundo dá voltas e se um dia você tiver na merda, não conseguir fazer feira direito, ter não ter os boletos das mensalidades deles pagos, eu duvido que você continue com esse discurso. 

Enquanto você está vivendo apertada, mas consegue viver bem, está tudo ok. Fica até bonita a sua medalha de guerreira no peito, enquanto a minha de "reclamona", é feia. Mas e se um dia você tiver desempregada? Vai romantizar o fato de estar embaixo da ponte e o pai de seus filhos com pensão atrasada chegando la na ponte pra visitar os filhos, descendo do seu carro com ar condicionado e roupa passada pela diarista? Vai???? Vai continuar bancando a Madre Tereza de Calcutá, dizendo que o amor dele é que importa??? Diz isso quem nunca passou pelo aperreio de ver as coisas faltarem, como eu e muitas outras vemos acontecer várias vezes na nossa casa. Diz isso quem nunca chorou no dia que a dívida da escola chegou a um montante que você sabe que fica impossível pagar sozinha.

Diz isso quem aprendeu que machismo é normal, que filho é mais da mãe e fica com esse discurso heroico pra aparentar melhor pessoa, melhor mãe.

Me lembro também de uma amiga feminista que não conseguiu deslanchar na sua vida profissional ( um de seus argumentos é não ter com quem deixar os filhos, mas esse argumento não tem valor perante a sociedade, pois sempre aparece alguém pra dizer uma história linda da mulher que levava os filhos pro trabalho e ficou milionária, não é mesmo? Basta querer e se esforçar, migas). A mulher entrou em depressão e hoje tem q viver de ajuda de parentes. Até já foram atrás de pedir ajuda a uma tia dela rica que defendeu, em uma dessas tretas de internet, um filho que postou que feministas são lixo da humanidade. Alguém duvida que essa tia está colaborando pra sair de "olha só quanta ingratidão" dessas feministas? Eu não duvido. É, essa moça não recebe pensão, vive de ajuda, mas ela mesma já saiu com esse discurso de que o pai seria mais importante do que a pensão. Anham, massa. E tu aí vivendo e se alimentando de humilhação. Trofeu heroina para as super mães que desprezam dinheiro e acham que amor resolve tudo e troféu de coitadinha pra tu. Legal. Massa mesmo.

Seguinte, eu não defendo que dinheiro é melhor que presença, por favor, não distorçam. O que eu defendo é que esse departamento, da presença, afetividade e amor do pai, não é das mães. Não se cobra amor. Se cobra pensão. Principalmente quando nos divorciamos. É um vínculo que o pai dos filhos deve criar com os filhos e nós não temos mais participação. Cabe a nós segmentar isso e explicar ao nosso filho que não somos mais uma família. Não temos mais direito do que o pai. As responsabilidades são iguais. Não somos obrigadas a intermediar essa relação quando não temos uma energia afinada com nosso ex. É claro que uma relação de amizade é o ideal, mas nem sempre é possível. No meu caso, é impossível. Nossas energias não se batem. Não falo com gente que me traz energia negativa, simplesmente pq não sou obrigada.

Super mães perfeitas, não querem pensão pq ganhou na mega sena? Aconselho que faça uma poupança e não abram mão desse dinheiro, pois um dia você pode sofrer um golpe da vida, dar um close errado investir mal e perder tudo. Aí esse dinheiro não é pra vc, é pra salvar seu filho da miséria. Vc continua embaixo da ponte, mas dá ao seu filho, se ele for de menor, vc chama alguém pra cuidar dele e se ele for de maior, ele mesmo administra seu dinheiro, pode ser? 

Ahhh tem também os que sentem pena dos pais alegando que eles não podem pagar. Mas as mães, se ralam toda e fazem malabarismos pra sustentar. Pedem ajuda de parente, empréstimo no banco e o escambau. Os homens, não. Todos com pena deles que "não podem pagar", mas tem uma vida normal conforme as redes sociais mostram. Praça de alimentação, boas roupas, até abrir negócio novo, o pai dos meus abriu. Nunca achei que era fácil pra ele pagar, jamais achei. Mas será que sou mesmo tão fria e insensível por cobrar que este cara colabore com o que pode de forma regular? Será mesmo que essa minha cobrança incansável ( ja botei na justiça e não deu em nada) é motivo pra ser alvo de crítica nas rodinhas de família que me chamam de radical e dizem que eu só penso no dinheiro e não no bem estar dos meus filhos? Aliás, como se não fosse intrínseco, né. Quem já viu bem estar sem contas pagas? Sem dinheiro pra aquela terapia que seu filho tanto precisa? Sejamos realistas.

E homens do meu Brasil, se vocês não conseguem pegar os filhos de vocês, se argumentam que a mãe impede, provem isso na justiça e ganhem esse direito por lei. Pq é fácil vcs serem ausentes e transferir toda essa culpa enrustida pra as mães. Não pagam pensão? A culpa é da mãe. Não veem os filhos? A culpa é delas também, claro. Em tempos de internet, celular, wts, Skype e tudo que a tecnologia oferece, ainda é mais fácil culpar a mãe. Acreditem se quiser, mas já ouvi um: " ela não me passa o contato deles". Gente, gente, gente. Caiu uma lágrima de solidariedade. É muito coitadismo. Isso não é verdade, nunca neguei quando foi pedido, mas caso negasse, vai ali compra um chip entrega pra teu filho, porra. Se mora longe, pega um avião, vem falar com teus filhos se eles são mesmo importantes pra você. Contribui com a passagem pra eles irem pra tua cidade, em vez de se escorar e esperar que essa mãe já fudida, segurando a onda quase que sozinha, pague. Se essa mãe ainda assim sabota a comunicação, entre na justiça e prove que há sabotagem. Sabe pq esse tipo de cara não busca seus direitos na justiça? Pq no fundo, sabe que essa fantasia vitimista e esquizofrênica existe só na cabeça deles.

Até quando seremos culpadas de tudo e julgadas até quando cobramos um direito que é de nosso filho?

Sim, faço questão das pensões atrasadas. Aré pq no meu ponto de vista, pagar pensão é uma das formas de demonstração de amor, comprometimento, responsabilidade. As vezes tenho a impressão que vou morrer sem a justiça conceder esse direito aos meus filhos, mas jamais abrirei mão.

#MeJulguem


Pensão x Amor.



Esses dias uma pessoa, que tenho apreço por sinal, veio dizer que pensava "diferente de mim" e que a presença do pai é mais importante do que a pensão. Disse também que se pudesse, abriria mão e diria ao pai do filho dela, que ele não precisava pagar. Tão boazinha que eu gostaria de lhe dar o prêmio de santa mulher. Todos sabem o quanto sou revoltada com a pensão irregular que recebo e as milhares de desculpas que o pai dos meus filhos dá pra não pagar. Uma dessas desculpas, é que sou filha de "pai rico" e não preciso.

Imagine vocês tendo que pedir dinheiro a um pai que já disse a você que se vc "continuar com essa frescura de feminismo", não lhe ajuda mais. Olha que maravilha que é. Imaginem como me sinto em ter que pedir todas as vezes. Um mini infarto a cada vez. Mesmo assim, deixo meu orgulho de lado e ele me ajuda sempre. Mesmo com as diferenças, amo meu pai. Porém, meu pai não tem o dinheiro disponível assim, como o pai de meus filhos pensa, pra estar me salvando toda hora. Quisera eu que fosse assim.

Outra amiga me disse que não precisava de pensão e que pagava as contas sozinha e que achava "até bom" isso. Lembrei de mais outras e outras que dizem se orgulhar de criar seus filhos sozinhas e dizem não precisar do pai dos filhos, "graças a deus". Veja que contraditório: elas dizem que não precisam, ou que se pudessem pagar sozinhas as contas, pagariam. O dinheiro não importa, mas a presença do pai, salientam que é importante. Quer dizer então que só presença importa? Amigas, desculpem, mas é hipocrisia. Se vc diz que não quer pensão nem presença, ainda entendo, mas mesmo assim, é egoísmo seu pq vc não pode se apossar de seu filho. Se o pai quer ver, quer compartilhar a guarda, tem direito. Igual a vc. O mundo dá voltas e se um dia você tiver na merda, não conseguir fazer feira direito, ter não ter os boletos das mensalidades deles pagos, eu duvido que você continue com esse discurso. 

Enquanto você está vivendo apertada, mas consegue viver bem, está tudo ok. Fica até bonita a sua medalha de guerreira no peito, enquanto a minha de "reclamona", é feia. Mas e se um dia você tiver desempregada? Vai romantizar o fato de estar embaixo da ponte e o pai de seus filhos com pensão atrasada chegando la na ponte pra visitar os filhos, descendo do seu carro com ar condicionado e roupa passada pela diarista? Vai???? Vai continuar bancando a Madre Tereza de Calcutá, dizendo que o amor dele é que importa??? Diz isso quem nunca passou pelo aperreio de ver as coisas faltarem, como eu e muitas outras vemos acontecer várias vezes na nossa casa. Diz isso quem nunca chorou no dia que a dívida da escola chegou a um montante que você sabe que fica impossível pagar sozinha.

Diz isso quem aprendeu que machismo é normal, que filho é mais da mãe e fica com esse discurso heroico pra aparentar melhor pessoa, melhor mãe.

Me lembro também de uma amiga feminista que não conseguiu deslanchar na sua vida profissional ( um de seus argumentos é não ter com quem deixar os filhos, mas esse argumento não tem valor perante a sociedade, pois sempre aparece alguém pra dizer uma história linda da mulher que levava os filhos pro trabalho e ficou milionária, não é mesmo? Basta querer e se esforçar, migas). A mulher entrou em depressão e hoje tem q viver de ajuda de parentes. Até já foram atrás de pedir ajuda a uma tia dela rica que defendeu, em uma dessas tretas de internet, um filho que postou que feministas são lixo da humanidade. Alguém duvida que essa tia está colaborando pra sair de "olha só quanta ingratidão" dessas feministas? Eu não duvido. É, essa moça não recebe pensão, vive de ajuda, mas ela mesma já saiu com esse discurso de que o pai seria mais importante do que a pensão. Anham, massa. E tu aí vivendo e se alimentando de humilhação. Trofeu heroina para as super mães que desprezam dinheiro e acham que amor resolve tudo e troféu de coitadinha pra tu. Legal. Massa mesmo.

Seguinte, eu não defendo que dinheiro é melhor que presença, por favor, não distorçam. O que eu defendo é que esse departamento, da presença, afetividade e amor do pai, não é das mães. Não se cobra amor. Se cobra pensão. Principalmente quando nos divorciamos. É um vínculo que o pai dos filhos deve criar com os filhos e nós não temos mais participação. Cabe a nós segmentar isso e explicar ao nosso filho que não somos mais uma família. Não temos mais direito do que o pai. As responsabilidades são iguais. Não somos obrigadas a intermediar essa relação quando não temos uma energia afinada com nosso ex. É claro que uma relação de amizade é o ideal, mas nem sempre é possível. No meu caso, é impossível. Nossas energias não se batem. Não falo com gente que me traz energia negativa, simplesmente pq não sou obrigada.

Super mães perfeitas, não querem pensão pq ganhou na mega sena? Aconselho que faça uma poupança e não abram mão desse dinheiro, pois um dia você pode sofrer um golpe da vida, dar um close errado investir mal e perder tudo. Aí esse dinheiro não é pra vc, é pra salvar seu filho da miséria. Vc continua embaixo da ponte, mas dá ao seu filho, se ele for de menor, vc chama alguém pra cuidar dele e se ele for de maior, ele mesmo administra seu dinheiro, pode ser? 

Ahhh tem também os que sentem pena dos pais alegando que eles não podem pagar. Mas as mães, se ralam toda e fazem malabarismos pra sustentar. Pedem ajuda de parente, empréstimo no banco e o escambau. Os homens, não. Todos com pena deles que "não podem pagar", mas tem uma vida normal conforme as redes sociais mostram. Praça de alimentação, boas roupas, até abrir negócio novo, o pai dos meus abriu. Nunca achei que era fácil pra ele pagar, jamais achei. Mas será que sou mesmo tão fria e insensível por cobrar que este cara colabore com o que pode de forma regular? Será mesmo que essa minha cobrança incansável ( ja botei na justiça e não deu em nada) é motivo pra ser alvo de crítica nas rodinhas de família que me chamam de radical e dizem que eu só penso no dinheiro e não no bem estar dos meus filhos? Aliás, como se não fosse intrínseco, né. Quem já viu bem estar sem contas pagas? Sem dinheiro pra aquela terapia que seu filho tanto precisa? Sejamos realistas.

E homens do meu Brasil, se vocês não conseguem pegar os filhos de vocês, se argumentam que a mãe impede, provem isso na justiça e ganhem esse direito por lei. Pq é fácil vcs serem ausentes e transferir toda essa culpa enrustida pra as mães. Não pagam pensão? A culpa é da mãe. Não veem os filhos? A culpa é delas também, claro. Em tempos de internet, celular, wts, Skype e tudo que a tecnologia oferece, ainda é mais fácil culpar a mãe. Acreditem se quiser, mas já ouvi um: " ela não me passa o contato deles". Gente, gente, gente. Caiu uma lágrima de solidariedade. É muito coitadismo. Isso não é verdade, nunca neguei quando foi pedido, mas caso negasse, vai ali compra um chip entrega pra teu filho, porra. Se mora longe, pega um avião, vem falar com teus filhos se eles são mesmo importantes pra você. Contribui com a passagem pra eles irem pra tua cidade, em vez de se escorar e esperar que essa mãe já fudida, segurando a onda quase que sozinha, pague. Se essa mãe ainda assim sabota a comunicação, entre na justiça e prove que há sabotagem. Sabe pq esse tipo de cara não busca seus direitos na justiça? Pq no fundo, sabe que essa fantasia vitimista e esquizofrênica existe só na cabeça deles.

Até quando seremos culpadas de tudo e julgadas até quando cobramos um direito que é de nosso filho?

Sim, faço questão das pensões atrasadas. Aré pq no meu ponto de vista, pagar pensão é uma das formas de demonstração de amor, comprometimento, responsabilidade. As vezes tenho a impressão que vou morrer sem a justiça conceder esse direito aos meus filhos, mas jamais abrirei mão.

#MeJulguem


Pensão x Amor.



Esses dias uma pessoa, que tenho apreço por sinal, veio dizer que pensava "diferente de mim" e que a presença do pai é mais importante do que a pensão. Disse também que se pudesse, abriria mão e diria ao pai do filho dela, que ele não precisava pagar. Tão boazinha que eu gostaria de lhe dar o prêmio de santa mulher. Todos sabem o quanto sou revoltada com a pensão irregular que recebo e as milhares de desculpas que o pai dos meus filhos dá pra não pagar. Uma dessas desculpas, é que sou filha de "pai rico" e não preciso.

Imagine vocês tendo que pedir dinheiro a um pai que já disse a você que se vc "continuar com essa frescura de feminismo", não lhe ajuda mais. Olha que maravilha que é. Imaginem como me sinto em ter que pedir todas as vezes. Um mini infarto a cada vez. Mesmo assim, deixo meu orgulho de lado e ele me ajuda sempre. Mesmo com as diferenças, amo meu pai. Porém, meu pai não tem o dinheiro disponível assim, como o pai de meus filhos pensa, pra estar me salvando toda hora. Quisera eu que fosse assim.

Outra amiga me disse que não precisava de pensão e que pagava as contas sozinha e que achava "até bom" isso. Lembrei de mais outras e outras que dizem se orgulhar de criar seus filhos sozinhas e dizem não precisar do pai dos filhos, "graças a deus". Veja que contraditório: elas dizem que não precisam, ou que se pudessem pagar sozinhas as contas, pagariam. O dinheiro não importa, mas a presença do pai, salientam que é importante. Quer dizer então que só presença importa? Amigas, desculpem, mas é hipocrisia. Se vc diz que não quer pensão nem presença, ainda entendo, mas mesmo assim, é egoísmo seu pq vc não pode se apossar de seu filho. Se o pai quer ver, quer compartilhar a guarda, tem direito. Igual a vc. O mundo dá voltas e se um dia você tiver na merda, não conseguir fazer feira direito, ter não ter os boletos das mensalidades deles pagos, eu duvido que você continue com esse discurso. 

Enquanto você está vivendo apertada, mas consegue viver bem, está tudo ok. Fica até bonita a sua medalha de guerreira no peito, enquanto a minha de "reclamona", é feia. Mas e se um dia você tiver desempregada? Vai romantizar o fato de estar embaixo da ponte e o pai de seus filhos com pensão atrasada chegando la na ponte pra visitar os filhos, descendo do seu carro com ar condicionado e roupa passada pela diarista? Vai???? Vai continuar bancando a Madre Tereza de Calcutá, dizendo que o amor dele é que importa??? Diz isso quem nunca passou pelo aperreio de ver as coisas faltarem, como eu e muitas outras vemos acontecer várias vezes na nossa casa. Diz isso quem nunca chorou no dia que a dívida da escola chegou a um montante que você sabe que fica impossível pagar sozinha.

Diz isso quem aprendeu que machismo é normal, que filho é mais da mãe e fica com esse discurso heroico pra aparentar melhor pessoa, melhor mãe.

Me lembro também de uma amiga feminista que não conseguiu deslanchar na sua vida profissional ( um de seus argumentos é não ter com quem deixar os filhos, mas esse argumento não tem valor perante a sociedade, pois sempre aparece alguém pra dizer uma história linda da mulher que levava os filhos pro trabalho e ficou milionária, não é mesmo? Basta querer e se esforçar, migas). A mulher entrou em depressão e hoje tem q viver de ajuda de parentes. Até já foram atrás de pedir ajuda a uma tia dela rica que defendeu, em uma dessas tretas de internet, um filho que postou que feministas são lixo da humanidade. Alguém duvida que essa tia está colaborando pra sair de "olha só quanta ingratidão" dessas feministas? Eu não duvido. É, essa moça não recebe pensão, vive de ajuda, mas ela mesma já saiu com esse discurso de que o pai seria mais importante do que a pensão. Anham, massa. E tu aí vivendo e se alimentando de humilhação. Trofeu heroina para as super mães que desprezam dinheiro e acham que amor resolve tudo e troféu de coitadinha pra tu. Legal. Massa mesmo.

Seguinte, eu não defendo que dinheiro é melhor que presença, por favor, não distorçam. O que eu defendo é que esse departamento, da presença, afetividade e amor do pai, não é das mães. Não se cobra amor. Se cobra pensão. Principalmente quando nos divorciamos. É um vínculo que o pai dos filhos deve criar com os filhos e nós não temos mais participação. Cabe a nós segmentar isso e explicar ao nosso filho que não somos mais uma família. Não temos mais direito do que o pai. As responsabilidades são iguais. Não somos obrigadas a intermediar essa relação quando não temos uma energia afinada com nosso ex. É claro que uma relação de amizade é o ideal, mas nem sempre é possível. No meu caso, é impossível. Nossas energias não se batem. Não falo com gente que me traz energia negativa, simplesmente pq não sou obrigada.

Super mães perfeitas, não querem pensão pq ganhou na mega sena? Aconselho que faça uma poupança e não abram mão desse dinheiro, pois um dia você pode sofrer um golpe da vida, dar um close errado investir mal e perder tudo. Aí esse dinheiro não é pra vc, é pra salvar seu filho da miséria. Vc continua embaixo da ponte, mas dá ao seu filho, se ele for de menor, vc chama alguém pra cuidar dele e se ele for de maior, ele mesmo administra seu dinheiro, pode ser? 

Ahhh tem também os que sentem pena dos pais alegando que eles não podem pagar. Mas as mães, se ralam toda e fazem malabarismos pra sustentar. Pedem ajuda de parente, empréstimo no banco e o escambau. Os homens, não. Todos com pena deles que "não podem pagar", mas tem uma vida normal conforme as redes sociais mostram. Praça de alimentação, boas roupas, até abrir negócio novo, o pai dos meus abriu. Nunca achei que era fácil pra ele pagar, jamais achei. Mas será que sou mesmo tão fria e insensível por cobrar que este cara colabore com o que pode de forma regular? Será mesmo que essa minha cobrança incansável ( ja botei na justiça e não deu em nada) é motivo pra ser alvo de crítica nas rodinhas de família que me chamam de radical e dizem que eu só penso no dinheiro e não no bem estar dos meus filhos? Aliás, como se não fosse intrínseco, né. Quem já viu bem estar sem contas pagas? Sem dinheiro pra aquela terapia que seu filho tanto precisa? Sejamos realistas.

E homens do meu Brasil, se vocês não conseguem pegar os filhos de vocês, se argumentam que a mãe impede, provem isso na justiça e ganhem esse direito por lei. Pq é fácil vcs serem ausentes e transferir toda essa culpa enrustida pra as mães. Não pagam pensão? A culpa é da mãe. Não veem os filhos? A culpa é delas também, claro. Em tempos de internet, celular, wts, Skype e tudo que a tecnologia oferece, ainda é mais fácil culpar a mãe. Acreditem se quiser, mas já ouvi um: " ela não me passa o contato deles". Gente, gente, gente. Caiu uma lágrima de solidariedade. É muito coitadismo. Isso não é verdade, nunca neguei quando foi pedido, mas caso negasse, vai ali compra um chip entrega pra teu filho, porra. Se mora longe, pega um avião, vem falar com teus filhos se eles são mesmo importantes pra você. Contribui com a passagem pra eles irem pra tua cidade, em vez de se escorar e esperar que essa mãe já fudida, segurando a onda quase que sozinha, pague. Se essa mãe ainda assim sabota a comunicação, entre na justiça e prove que há sabotagem. Sabe pq esse tipo de cara não busca seus direitos na justiça? Pq no fundo, sabe que essa fantasia vitimista e esquizofrênica existe só na cabeça deles.

Até quando seremos culpadas de tudo e julgadas até quando cobramos um direito que é de nosso filho?

Sim, faço questão das pensões atrasadas. Pagar pensão é uma das formas de demonstração de amor, comprometimento, responsabilidade. As vezes tenho a impressão que vou morrer sem a justiça conceder esse direito aos meus filhos, mas jamais abrirei mão.

#MeJulguem


18 de out de 2015

Quem sou eu e como são muitas feministas



Não vivo para ser admirada. "Sua inveja não faz minha fama" porquê muitos não gostariam de ser eu. Vivo com medo de desagradar em rodinhas de pessoas pois sou mega sincera, não tolero comentários preconceituosos que infestam os ares humanos. Sempre me arrependo de ter falado isso ou aquilo. Isso provoca meu isolamento. Não sou um poço de intelectualidade por isso. As vezes pareço criança de tanta bobagem inofensiva que gosto de falar e fazer. Sou feliz ,mas, na condição de patinho feio que sou, ainda busco minha lagoa.


Tenho esperança de ter amigos verdadeiros. Idolatro meu pai, apesar dele não me amar como ama meus irmãos. Sou muito exigente. Gosto de gente alto astral, anti hipocrisia. Na teoria, muitos se dizem ser assim. Mas na prática as velhas piadas estão nos trejeitos, nos vícios de linguagens e ainda rondam as mesas de bares dos que se julgam mais descolados.

Detesto gente fresca. Patricinha que se orgulha de ser chamada assim não é meu estilo de amizade. Não tenho vocação para burguesinha só o filé. Algumas pessoas me fascinam: Angelina Jolie é uma delas.

Sou feminista ativista e ateia.

Sou a favor do aborto. Você que é contra, deve não ser porquê é egoísta e ignora o fato de que o aborto mal feito em clínicas clandestinas traz mais prejuízos à saúde pública do que o câncer de mama e de ovário. Nao costumo julgar quem porventura necessite fazer um. Sou sensível e amo crianças, mas não me apego à um amontoado de células e chamo aquilo de bebê.


Apecio moda e estilistas com projetos sociais. Gosto de Isabela Capeto e Ronaldo Fraga. Aprecio a arte. Sou fã de Frida Khalo. Sou uma devoradora de artigos e pequenas leituras ( livros eu preciso ler mais, confesso, mas falta tempo). Leio tudo: até o que muitos não se importam em ler: a composição do xampu, letras miúdas de etiqueta de roupa. Sou fanática por artigos científicos na área dos gêneros. Sou anti-sexista e detesto a ditadura do rosa para as meninas. Lanço campanhas que pouca gente vê sentido.

Sou detalhista, mas se você me perguntar a roupa que esteve ontem, não saberei responder

Sei que tenho o poder de transtornar as pessoas e de irritá-las. Se eu pudesse teria sido beeeem diferente no meu passado. Tento reconstruir minha vida com personalidade 100% formada. Desejo o bem da humanidade e sua felicidade.

Vou pra frente do Congresso Nacional fazer manifesto, se preciso, pedir a criminalização do machismo pelo menos no meu país Quero continuar sendo louca, melhor do que ser apedrejada.

Quero um Estado laico para criar meus filhos e quero que eles cresçam e escolham (ou não) sua religião.  Aborto não é uma qeustão cristã. É o direito de decidir sobre nosso próprio corpo! Filhos indesejados, são futuros problemas sociais. Abaixo o machismo intrínseco às religiões.Viva o direito de ser mulher e de poder tanto quanto os homens!


Que não seja banal, mas que mais mulheres sejam assistidas se tiverem que optar pelo aborto


Essa sou eu. a blogueira, muito prazer. Se você me acha radical, louca, espero que você não tenha o desprazer de me conhecer na vida real.

Se identificou? Te entendo, amiga. :D

29 de mai de 2015

Mãe, você não tem culpa!


Não sou psicóloga, mas o tempo me ensinou muita coisa. Por isso, me arrisco a refletir e dar um conselho para as mães, que como eu, as vezes passam por problemas em alguma fase da vida dos filhos (infância, adolescência) e se perguntam: onde foi que eu errei?

Não, não fomos nós que erramos. Convido a todas a exercitar a "desculpabilização".  Vamos tirar o peso dos ombros?

1- Nós mulheres não devemos achar que somos mais responsáveis que os pais.
2- Não é pq o filho de fulana só tira nota boa, estuda e tem um comportamento exemplar, que é melhor que o seu que fez merda, que tem algum trastorno psico ou emocional.
3- Ter dado uma educação rígida, ter batido por julgar necessário para uma " boa educação", não é motivo de orgulho. Seu filho pode se comportar como um soldado hj, mas pode ter se tornado uma criança limitada, que não questionou, e isso pode desencadear problemas no futuro: um cidadão bloqueado, sem criatividade, agressivo, estressado, clichê.
4- Queremos protegê-los, não sabemos os limites, se somos permissivas demais, de menos... não adianta ficar se torturando, se culpando por tudo. Não podemos proteger nossos filhos de tudo. As vezes eles precisam levar uns baques, perder uns jogos que é pra frustração prepará-los melhor pra vida.

Sei que as vezes nós mães estamos a beira de um ataque de nervos, sei que quando vamos pedir conselhos, mesmo as pessoas que nos amam, as vezes vão tentar nos culpar, dizer que foi pq não fomos rígidos, por isso ou aquilo e bla bla bla... Um dia desses me contaram que um pastor, na igreja, contou a história de um  rapaz que culpou a mãe dele por não ter tido limites na infância. Fico angustiada. Não concordo. Pq essa mania de culpar mães? #Pensemos

Já me disseram que " tiro" a autonomia do pai ( como se isso fosse possível, afinal, cada um que crie o seu vínculo! Até quando o cara é ausente, culpam a mãe??) Já me disseram que quero "vingança", quando quero só o que é de direito dos meus filhos. Enfim, já me disseram barbaridades. Antes eu sofria, agora tenho discernimento das coisas.

CHEGA DE CULPA! Eu não sou muita coisa, não sou pastora, não sou dona da razão, eu erro, mas sou humana, me sensibilizo e me solidarizo com suas dores, mães. Por isso, seja lá o que vocês estão passando, estou aqui para dizer: NÃO, NÓS NÃO TEMOS CULPA!

Amor é fundamental, mas diálogo é sempre um bom resolvedor de conflitos. Nunca deixe de se comunicar com seu filho, seja lá o que ele tenha feito/falado. Insista.  #Ficaadica.

Para meus filhos eu só tenho uma coisa a dizer: AMO vcs, confio em vcs
, valorizo mais as qualidades do que os defeitos. Vamos superar os problemas juntos? <3 p="">

1 de mar de 2015

Da era farinha com feijão à gourmetização


"Agressão de verdade é você ser ensinado a aguentar calado uma vida de droga, esperando por um prêmio, em outra existência – que, até me provarem o contrário, não existe."
Leonardo Sakamoto
Ando aflita pensando nisso. Apesar de mtas vezes me sentir sobrecarregada, da tripla jornada q me submeto no meu dia a dia, sou privilegiada. Tenho o básico ( para muitos, isso é tudo). Mesmo assim, tem dia que penso que vou "pifar". Imagine quem não tem quase nada? Quem passa fome? Mtas pessoas estão em situação miserável e humilhante. A partir disso, penso: o que estamos fazendo nessa vida mesmo, senão reivindicamos o direito de viver e de termos direitos iguais? De que serve uma vida insignificante? E quando alguém passa do campo de oprimido para o opressor? Querer viver melhor não é feio, é necessário. O q acho feio achar que somos mais especiais e temos mais direitos que outras pessoas. Achar que a pessoa tem que se conformar e ser feliz comendo farinha com feijão em plena era da gourmetização, não entra na minha cabeça não. ‪#‎pensemos‬


19 de fev de 2015

Artistas de meia tigela


A declaração do ator Marcello Melo Jr em seu Twitter, é a prova que muitos artistas são envoltos em um manto de estética e pouco conteúdo. Aquela ideia de profissão intelectualizada, rica em liberdade, cultura, sociedade alternativa e coisa e tal, só existe na nossa cabeça. E nem adianta culpar as novas gerações. É só lembrar dos velhos vídeos virais, preconceituosos de Suzana Vieira e as declarações infelizes de Claudia Raia sobre uma panicat.

Desconfio que artistas somos nós, livres pensadores que acreditamos em um mundo melhor e mais justo, apesar de tudo. Um bando de humanos que usam o argumento da "liberdade de expressão" para ofender, humilhar e ridicularizar outros, são pretensiosos quando falam que produzem arte. Pode até ser, afinal, há defensores da arte sem "limites", mesmo quando esta maltrata e sai rasgando histórias e vivências. Ok. É arte. Mas é notório que não é o tipo que promove e instiga, mas a que retrocede, se torna repetitiva e estagna. Pare o mundo que eu quero descer. Mas não para ir embora, para ajudar a levantar a bandeira do feminismo das mulheres negras.

Quando se tem mais de sei lá quantos mil seguidores, a responsabilidade é grande. Os holofotes são mais importantes do que a sensibilidade? Pensei que incorporar outras essências para dar vida a um personagem, exigia mais sentimento do que a mediocridade de postar algo na linha rasa e fútil do: "sou engraçado, politicamente incorreto e por isso, sou massa".

Sugiro que acordemos e despertemos a arte dentro de nós. Ela está em falta em muitos artistas brasileiros. Sobre meu senso de humor, antecipo: vai bem obrigada. ;)



A velha nova geração

Hj eu estava nos Correios, uma criança e uma mãe estavam na fila. A mãe pede uma informação sobre o tamanho da caixa que deviam comprar, pois iam mandar uma mochila da Barbie para alguém.
" A caixa pode estar um pouco amassada, não tem póbrema não, né?" Pergunta a mãe pra moça do cx. A moça responde que não.
A filha repete pro pai que acaba de chegar, pois estava estacionando: "tem póbrema, não pai, pode ser amassada."
Nesse momento lembrei de um vídeo que mostra as crianças reproduzindo exatamente aquilo que os pais fazem. Isso me faz pensar que nossa responsabilidade na criação de nossos filhos é gigante. Disso depende a evolução social da humanidade. É um erro grotesco impor "verdades" ou qualquer coisa que a gente passou a vida toda acreditando. As crianças são ingênuas, mas são inteligentes. Vamos deixar nossos rebentos livres pensadores. Quem doutrina, mina. É claro, que há coisas que dificilmente elas irão se livrar: nossos sotaques, gírias, palavras que falamos errado. Não estou falando disso, falo é de estimular a liberdade mesmo. Será que nosso amor é grande a esse ponto? Ou será que estamos produzindo em série uma paradoxal nova geração obsoleta?

               

Qual é a sua?



O fato de alguém estar em situação de privilégio, não a isenta de refletir sobre estes privilégios. Pelo contrário, o fato de estarmos em uma situação privilegiada, deveria ser motivo para acreditarmos que não somos especiais e nem mais merecedores do que outros. Uma boa iniciativa é apoiar políticas sociais que equiparam as oportunidades. (Por isso sou a favor de cotas, por exemplo, apesar de nunca ter precisado, me coloco no lugar de quem não teve as mesmas chances que eu na vida).

2- A luta não é para que todos morem embaixo da ponte, mas para que todos possam ter direito à educação, uma vida confortável, uma moradia digna. Assim como nós, que temos cobertores e camas limpas e quentes no inverno, seria interessante que todos tivessem. Em vez de julgar a pessoa que está dormindo na rua, que tal analisar o motivo dela estar ali? A desigualdade social (que vc continua apoiando na medida que é contra cotas e benefícios sociais) pode ser um deles.

É fácil chamar pessoas que lutam ( ou pelo menos tem coragem de se expor) de revoltadas e hipócritas. É fácil não querer sair da zona de conforto e debochar da cara dos outros. É  mais fácil ainda fazer isso por trás do que pela frente. Mas o mais fácil de tudo, é ser neutro, pra ser aceito (a) e querido (a) por todos. Aquele que justifica que preconceito todo mundo tem e pronto. Beleza, nesse caso, o mundo não tem nada pra mudar e quem ousa mudá-lo, não passa de louco. Ninguém precisa ser igual, ninguém precisa sair lutando por nada, mas tem um ditado muito bom que diz: " muito ajuda quem não atrapalha". Pois é, vocês que acham que todos que votaram no são doentes mentais e só você é intelectual,

Revejam seus conceitos antes de sairem atacando.

14 de fev de 2015

Sobre Felipe Neto x misandria



Bom, vi o vídeo, não achei tão ruim e não me incomodei tanto quanto as companheiras de luta. Ele diz exato o que o senso comum diz. Ele é um ignorante, assim como a maioria que não entende que a luta é tb pra ser " vadia" e ser o q quiser. Na minha família/convívio social, todos repetem exato isso e todos tem asco da Marcha das Vadias, principalmente pelo nome. As pessoas ainda não entendem que o respeito não é condicional, não depende se a mulher é vadia ou não. Vou ver o que ele disse no Canal das Bee ( em vez de criticar o canal por isso) e acho até interessante o canal procura-lo, pois quem sabe ele compreende a luta em vez de repetir essas bobagens.

A solução é gritar pro mundo que nossos pais, tios, parentes, amigos são babacas? O certo é falar uma língua que todos desconhecem. Sim, vamos a luta, mas primeiro de tudo vamos desconstruir. 

Essa vivência feminista, só tem quem participa de um mundo a parte. Quem está debatendo em grupos feministas. Não são diálogos que fazem parte do nosso dia a dia, que são comuns a todas as pessoas. Não é porque nós percebemos nossa cultura como errada, que todos percebem. Pelo contrário, existem N justificativas, até a crença na biologia "diferente", que justifica porque o homem "pode" coisas que a mulher não pode, atrapalha o entendimento.


Sou uma feminista um pouco diferente das demais e muitas não curtem meus pontos de vista, mas vamos lá, vou dizer abertamente o que penso: O problema é que ngm aprende feminismo da noite pro dia. Quantas de nós no começo, sofremos sem entender o feminismo?Temos que ter paciência e discutir o tema, por isso acho interessantíssimo que oCanal das Bee traga essa reflexão pro público de Felipe Neto. ( imagino que ele tenha mtas fãs e nesse momento, imagino que com essa declaração, o feminismo espanta mtas meninas novatas no movimento, que são fãs dele). O feminismo não pode ser um movimento elitizado e intelectualizado. O "protagonismo" do homem branco ( cis ou não, hétero ou não) não deve representar medo pra gente. Não defendo nosso silêncio diante do vídeo, mas atacar sem argumentar, sem fazer o cara ( e os fãs do cara) entender do que se passa, não é uma boa saída. Ou vc acha que as meninas que seguem Felipe Neto ouvem no seu dia a dia palavras como " protagonismo feminino, mulher cis, sororidade, empoderamento"]? No mundo que eu vivo, estamos bem distante de popularizar tais termos.


11 de fev de 2015

Ditadura da fé


A obrigação que a sociedade impõe nas pessoas para que tenham algum tipo de religiosidade/ crença, chega a ser cruel. Cruel sim, pois não dá pra ficar tirando nosso corpo fora e jogando tudo na conta da "espiritualidade". O pensamento positivo é importante. Nos traz vontade, garra, felicidade. Mas um pouco de pensamento negativo nos traz à realidade, à batalha, é quem nos traz medo.
Medo é importante. Medo pode prevenir males. É como a raiva que não pode ser abafada sempre, mas também não pode ser alastrada em nosso corpo. O equilíbrio é um bom caminho pra não morrer vivo, mas quem disse que esse caminho na corda bamba da vida, só se dá através da espiritualidade? Livros que humanos escreveram? Histórias que pessoas criaram? Não me fale em evidências para fatos que a ciência não explica, ou quando explica, é controversa. Quem tem autoridade maior do que nós mesmos para sabermos o que nos faz bem? Por que precisamos construir nossa felicidade em cima de um ideal, de histórias sobre deuses, de doutrinas e de como devemos ser?
A maturidade está intimamente ligada às nossas experiências negativas. Fingir que elas não existem, é continuar tendo um olhar infantil sobre a vida. É jamais evoluir. Ninguém precisa ser o tempo todo pessimista, mas viver uma falsa felicidade, agir para agradar mais os outros do que a si mesmo, é a maior das traições. A disforia faz parte, assim como a felicidade momentânea, pseudo-eterna. Ter fé não é defeito. Querer que todos sejam iguais, tenham o mesmo prisma e vejam o mesmo sentido na sua fé, é que é um grande problema. É aí que cabe uma análise filosófica, franca, pertinente e necessária.
Por favor, religioso (a), pare de determinar que precisamos de religiões para sermos felizes. Isso é uma grande mentira de vocês. A verdade é que quando dizem isso, querem agradar a si. Você, dono de tantas convicções absolutas e inflexíveis, não deixe que isso afete sua vida de maneira que só se sinta feliz quando os outros aderem.
A diferença entre o fanático e a pessoa que afirma que " todos precisamos de alguma crença religiosa" para sermos felizes, é nenhuma.
Por um mundo com menos dogmas, menos imposições, mais diversidade, divergências e mais liberdade.

31 de jan de 2015



Estou impressionada com a repercussão da personagem de ‪#‎PaollaOliveira‬em ‪#‎Felizesparasempre‬. Teve homem que já fez até texto pra dizer que estava sentado no sofá, vendo as cenas da atriz semi-nua, quando pensou que mulher de verdade é a esposa dele em que tava casa, que rala no fogão, cuida dos filhos e bla bla bla...
Bora deixar de babaquice? Não bastasse ter nascido com um rosto perfeito, a mulher tem uma lapa de bunda, um corpo maravilhoso. Resumindo: é perfeita. E sim, é mulher de verdade.

A que fica no fogão, se sobrecarrega, chora, sofre mas não se separa, aguenta os machismos dos ogros, se anula, é que devemos duvidar se é mulher de verdade. ‪#‎Prontofalei‬ Aliás, se é um ser humano de verdade. Porque vou te contar, isso não é vida. Receber troféu de "batalhadora" não devia servir de recompensa, nem de consolo, como vejo que serve pra muitas mulheres.

Se você quer se sentir linda, se você quer ter mais tempo para você, mesmo não sendo uma Paolla da vida, sinta-se! Eleve sua ‪#‎autoestima‬ com aquilo que te faz elevar. Não colecione olheiras, malhe se gostar de se olhar no espelho com um corpo definido, ou ame-se se gostar do seu corpo como ele é. Se achar que comer bem vale a pena, mude seus hábitos. Pratique um esporte, yoga, meditação, faça arte, pedale, ou sei lá, qualquer coisa que a faça se sentir bem, independente, equilibrada e linda. Mas a dica principal é: se for pra ter um companheiro, case-se ( ou junte-se, amancebe-se) somente com um cara que divida tarefas domésticas. Não aceite babacas que ficam afirmando conceitos medievais sobre seu gênero. Duvide de um cara que fala mal da gata/gostosa da TV e te elogia por ser burro de carga. Mulher, esse papo de guerreira cansa. Principalmente sua beleza. 

Emoticon wink