31 de jan de 2015



Estou impressionada com a repercussão da personagem de ‪#‎PaollaOliveira‬em ‪#‎Felizesparasempre‬. Teve homem que já fez até texto pra dizer que estava sentado no sofá, vendo as cenas da atriz semi-nua, quando pensou que mulher de verdade é a esposa dele em que tava casa, que rala no fogão, cuida dos filhos e bla bla bla...
Bora deixar de babaquice? Não bastasse ter nascido com um rosto perfeito, a mulher tem uma lapa de bunda, um corpo maravilhoso. Resumindo: é perfeita. E sim, é mulher de verdade.

A que fica no fogão, se sobrecarrega, chora, sofre mas não se separa, aguenta os machismos dos ogros, se anula, é que devemos duvidar se é mulher de verdade. ‪#‎Prontofalei‬ Aliás, se é um ser humano de verdade. Porque vou te contar, isso não é vida. Receber troféu de "batalhadora" não devia servir de recompensa, nem de consolo, como vejo que serve pra muitas mulheres.

Se você quer se sentir linda, se você quer ter mais tempo para você, mesmo não sendo uma Paolla da vida, sinta-se! Eleve sua ‪#‎autoestima‬ com aquilo que te faz elevar. Não colecione olheiras, malhe se gostar de se olhar no espelho com um corpo definido, ou ame-se se gostar do seu corpo como ele é. Se achar que comer bem vale a pena, mude seus hábitos. Pratique um esporte, yoga, meditação, faça arte, pedale, ou sei lá, qualquer coisa que a faça se sentir bem, independente, equilibrada e linda. Mas a dica principal é: se for pra ter um companheiro, case-se ( ou junte-se, amancebe-se) somente com um cara que divida tarefas domésticas. Não aceite babacas que ficam afirmando conceitos medievais sobre seu gênero. Duvide de um cara que fala mal da gata/gostosa da TV e te elogia por ser burro de carga. Mulher, esse papo de guerreira cansa. Principalmente sua beleza. 

Emoticon wink

29 de jan de 2015

Mais uma vítima de racismo. Até quando?

Hoje tivemos a triste notícia de mais uma vítima nas quadras. A jogadora de volêi Fabiana, da seleção brasileira.

"O preconceito está nos olhos de quem vê. Essa frase virou um argumento para justificar preconceitos.

Eu tenho coragem, eu venho aqui e digo: Sim, tive preconceitos enraizados, aprendidos, construídos. " Ah, mas são os negros que tem preconceito com eles mesmo e são as próprias mulheres que são machistas". São outros argumentos comuns. Se eu fosse negra alguém acha que quando criança teria discernimento para entender o que é ofensivo e o que não é? A cor da minha pele e meu gênero, não me isentam quando vivo em um molde social que promove a desigualdade. Pior, nos ensina que é assim mesmo e pronto.

Independente da cor que nasci, do genital que possuo, reproduziria os conceitos aprendidos do mesmo jeito. Eu assumo, falava tudo isso, tinha muito preconceito. Mas quando entendi o tamanho de minha ignorância, comecei a lutar todos os dias contra. E você prefere dizer que racismo e machismo não existem mais? Que o melhor é ignorar a cada grito de macaco dito nas quadras/estádios? Que o melhor é rir de piadas machistas e assim continuar naturalizando aquilo que é imposto como "natural"?

Dos termos que eu reproduzia e me lembro de minha infância: " Cabelo de empregada" ( quando meu cabelo estava desgrenhado. " Cheiro de nêgo" ( quando não gostava da fragrância de algum perfume). Cara de traveco ( quando alguém exagerava na maquiagem). Aprendia a lição direitinho com os adultos. Ou alguém acha que a criança inventa essas frases?

Ter espírito de criança é bom. Mas a ingenuidade, não. Está na hora de assumirmos nossa postura de adultos. Crescemos, não faz mais sentido repetir feito papagaios, frases, ideias prontas. Ainda bem que a gente muda, que a gente evolui. As vezes sinto vergonha e me sinto mal, pois essa criança que fui ( e olha que não fui uma das piores e ainda fui vítima de bullyng,embora, muitos afirmem que não, pois tem gente que acha que pode decidir por mim o que passei, né?). Mas penso que não devemos sentir vergonha de ser um ex reprodutor de bobagens. Sinta vergonha se ainda for.

Deixemos o orgulho de lado e vamos juntos assumir: quero largar o vício de ter preconceitos bestas.
Quero parar de falar coisas vergonhosas, de ser visto como uma pessoa retrógrada. Seja uma pessoa boba, leve, se quiser não levar a vida tão a sério. Até meio infantil, mas jamais imbecil. Bora progredir?



21 de jan de 2015

Ser mulher ou não ser?



Há alguns anos, eu ficava com um rapaz e tínhamos uma ótima compatibilidade sexual. Um dia, depois de transar, ele disse:" vcs mulheres não podem sentir o que um homem sente, gozar é maravilhoso demais! Não acredito que o orgasmo de vocês seja como o nosso"
A partir desse dia, em vez de eu questionar, passei a acreditar que tinha nascido com algum problema sexual, que tinha nascido com características masculinas, devido a minha facilidade de gozar (inclusive já aconteceu algumas vezes, em apenas uma noite, com um cara que conheci naquele dia). A sensação era física, muita lubrificação, orgasmo que contrai a vagina involuntariamente e prazer inenarrável. Não tinha como duvidar: gozo intenso. 
Em vez de questionar o que ele falou, questionei minha sexualidade, duvidei que eu era uma mulher comum. Cheguei a pensar: Será que nasci com hormônios masculinos, ou com os genital hermafrodita? Tinha alguma coisa errada comigo, pois o sexo por sexo, me encantava.
Pra completar, muitas amigas diziam que só gozavam com amor, com emoção, e, que não eram como os homens. E quando diziam que existiam mulheres que nunca tinham tido um orgasmo? Eu achava aquilo muito anti-natural, já que descobrir o orgasmo sozinha, na minha cabeça era instintivo. Isso me trazia angústia. Como eu podia ter genital híbrido ( ou sei lá o quê) se já tive filhos e meus exames dizem que tenho ovários, útero e etc?
Depois de muito pensar concluí: as pesquisas estão erradas. A ciência está errada, não sou como dizem que é uma mulher, mas sou mulher.
Foi assim que percebi que a sociedade impõe um comportamento para meu gênero. Foi assim que comecei a lutar contra tudo e todos que explicam a mulher através da biologia. Foi assim que o feminismo fez sentido em minha vida.
Dane-se a ciência. Não dou o direito de ninguém descrever o que sinto e o que sou.

14 de jan de 2015

Prazer feminino tão rápido quanto o masculino




"A vaidade masculina inventou que mulher, quando diz não, quer dizer sim." Disse certa vez, Carmem Silva.

Não só isso foi inventado a respeito do prazer feminino. O pensamento do envolvimento emocional necessário para se obter um orgasmo, é generalizado. Fora isso, ainda temos textos e muitos"especialistas" como Regina Navarro ( fui tirar satisfação com ela no Facebook e ela respondeu toda arrogante reafirmando o que disse... podia pelo menos ter a humildade, afinal eu relatei que comigo não era assim e não sou um ET, muito menos uma aberração da natureza) que afirma por aí que mulheres precisam de mais tempo para se excitar do que os homens. ( Anham. Machismo, fia! Tudo machismo. Até Regina que é " moderna" reproduz esse conceito idiota, afinal, me digam como é capaz de testar isso? Só se existisse um termômetro de prazer e isso fosse feito com todas as mulheres desencanadas do mundo... sim, desencanadas, pois o machismo TRAVA que é uma beleza!)

Gostaria de deixar registrado aqui, nesse blog, o que acontece com MEU CORPO, minha vulva, minha vagina ( Sou mulher cis). 

Não faz sentido nenhum isso! Conheço homens que demoram para se excitar. Eu, particularmente, dependendo da fase que estou ( de férias, com menos preocupação é batata!) posso me excitar em menos de 8 segundos, dependendo dos estímulos visuais e táteis ( em masturbação ou em uma relação sexual) e já aconteceu ( e aconteceria várias vezes se eu não me controlasse) de eu atingir o orgasmo em segundos em uma relação sexual. Menos de um minuto, eu juro! Não foi apenas uma vez. Então, pesquisas, pesquisem melhor pois sou mulher e não sou exceção! Não criem regras para meu prazer! Me explique, como afirmar que homens são mais rápidos? Cada um é cada um!  Claro que quando falo isso, falo de sexo com estímulo clitoriano, não acredito em ponto G ( é uma lenda!), é claro que a vagina tem sua participação, mas não é a mesma coisa do clitóris. Portanto, homens leigos que estão lendo isso aqui, entendam de uma vez: vcs gozariam pelos testículos? Pois é. É a mesma coisa de dizer que existe orgasmo vaginal e clitoriano. É claro que nosso cérebro produz o estímulo e que o pensamento, um vídeo ou qualquer coisa ( muito pessoal o que excita cada um!) ajuda. Só estou dizendo que: qualquer sexo, anal, vaginal ( nas mulheres) e nos homens anal, podem resultar em orgasmos com origem em seus pontos físicos de prazer. Querer orgasmo sem estímulo no clitóris, é como querer acender a lâmpada sem tocar no interruptor, sacou? É como estimular seus testículos, sem tocar no seu pênis! Os homens precisam entender que a escola pornô ensina as piores posições e que estimular o clitóris não é sexo de lésbicas!

O que é verdade que sempre vejo nos textos, e sinto é que realmente minha vulva fica inchada, minha cavidade vaginal lubrifica lindamente, aumenta de tamanho, acomoda o pênis confortavelmente. 

Não, não somos complexas, como a maioria dos textos dizem. Temos um órgão extremamente sensível, (tanto quando a cabeça da glande nos homens) e podemos gozar rapidamente, contanto que percamos a vergonha e deixemos o tesão fluir!

Tomando as rédeas dos movimentos sexuais, para gozar mais rápido:

O sexo oral é muito bom e eficaz para isso. Mas não podemos ficar dependentes só dele para obter um orgasmo. ( uma amiga minha disse que só atingia assim... claro, os homens concentram toda energia na vagina, quando não é só lá!)




Posições que ajudam:

1- Fique em cima, sentada de frente ou de costas, friccionando seu clitóris ( massageie com seu corpo) e peça ao seu parceiro para ficar paradinho. ( isso ajuda em sua concentração, mas se gostar que ele se movimente, deixe).

2- Quando ele estiver em cima, peça para você movimentar o seu corpo e não ele. Caso ele movimente, você pode perder a concentração, mas caso goste, peça que movimente também. 


3- Em posições que não são favoráveis ao estímulo clitoriano, como de 4 ou qualquer outra, aproveite para fantasiar e prolongar o prazer ( direto lá é mais fácil de gozar!). Veja vídeos eróticos. Sinta-se vulgar sem ser sexy. Foda-se qualquer coisa, o mais importante é seu prazer. ;)

Ahh tenho uma teoria: o orgasmo ajuda a fortalecer o músculo da vagina e assoalho pélvico. Não existe nenhum artigo sobre isso, é apenas a lógica que me diz isso, já que mandam a gente fazer aqueles exercíciozinhos de contrair e descontrai. Ora, o orgasmo faz isso sozinho, involuntariamente, então, moças, força na peruca, ou melhor, na vagina, botem ela pra trabalhar!

Ah e sobre pompoarismo, acho uma grande bobagem. Me desculpem as adeptas e me perdoe quem discorda de mim. Vamos tonificar o músculo com uma vida saudável, com exercícios e muitos orgasmos!

Mulher, se você faz parte daquele grupo das envergonhadas, das que servem mais o prazer do parceiro do que o próprio, perca a vergonha! Você é capaz!

Beijos



17 de set de 2014

Você tem medo de quê?

Você pensa diferente, tem uma lógica diferente sobre a vida em sociedade e sobre vários assuntos, por isso, aparece milhões para dizer que vc não respeita os outros, que vc é louca, que vc quer impor sua opinião... mas as opiniões já consolidadas no senso comum, pode, né?  Vc não é uma pessoa louca, vc é gente boa demais, vc é ótima, super simpática! Nossa não tem quem não goste de fulano(a)! Claro, fulano (a) tem medo de opinar, quando opina, fala coisas que todos estão acostumados, não se revolta com nada, diz que o mundo é assim e pronto. A sociedade sabe para quem dá o título de "revoltado (a)" e "infeliz". É impossível ver as coisas erradas do mundo e ser feliz. Pra ser feliz, só sendo mais um a aceitar tudo. Qualquer sinal de protesto, significa amargura profunda, ou coisa de adolescente. A receita da felicidade, é reproduzir exato aquilo que agrada a maioria? Existe receita então? Que medo as pessoas tem de serem vistas como infelizes! Pânico! Mas garanto que muitas dessas engasgadas, "agradadoras" e puxas sacos, são as verdadeiramente infelizes.

Então continuemos fingindo que somos os mais felizes, os mais amados, os mais queridos? E sobre o que precisa mudar no mundo, não mudamos? Esperamos que Jesus volte e faça milagres??

Frase que jamais direi aos meus filhos: Aceite o mundo como ele é, meu filho (a). Enquadre-se. Não tenha opiniões diferentes pq sempre serão vistas como opinião de gente radical, chata, alucinada, que fuma maconha, imatura. Frase que direi a vida toda: Dá pra ser feliz, sendo você, contribuindo por um mundo mais justo, revendo seus privilégios, seus conceitos. Incomode, não se renda, não ouça aqueles que estão na zona de conforto. Seja mais um a apertar o botão: evoluir.  

  #cansada #sociedadehipocrita #somostodosprogramados

13 de set de 2014

"Hoje em dia já temos igualdade..." Será mesmo?

Aos 6, 7 anos, eu estudava em um dos melhores colégios particulares de minha cidade. Minha melhor amiga era negra. Eu era criança e não tinha ainda conhecimento do que era racismo, portanto, pra mim, ela era sinônimo de elegância e beleza, até por que, desde que me entendi por gente, eu achava que meu sotaque (nordestino) era feio. Pelo menos, nas novelas e na TV ninguém falava como eu. Chique mesmo, era chiar no ti e di. (tchi e dhi, como quando eu brincava de novelinha). Logo, eu achava que ela era superior.

Um belo dia, outras colegas minhas me disseram que ela devia ser a filha de empregada. Fiquei sem entender, mas aos poucos fui percebendo que a maioria das empregadas eram negras e por isso, o comentário. Logo, fiquei confusa, mas entendi: mesmo ela falando "chique", ter aquela cor de pele, não era legal. Sou morena, mas comecei a achar que devia tomar menos sol. Assim foi até a adolescência, quanto menos sol melhor, pois a referência que eu tinha de beleza, era que quanto mais brancura melhor. As vezes as bochechas bronzeadas de vermelho, no máximo, mas as pernas e joelhos, eu achava feio se ficassem escuras.

Com o tempo, fui reforçando a ideia que mulher tinha menos capacidade, pois era o que via na TV e em todo canto. Meu pai dava a entender que minha mãe era burra e menos capaz em muitas coisas. Mas dizia que, quando ela era nova, era linda e que isso bastava, pois uma mulher não precisava ser inteligente, a prioridade era ser bonita. Já adolescente, meu irmão mais velho, contou para todos, que um dia pegou minha mãe e meu pai transando, ( nessa época minha mãe não era mais tão jovem assim), então ele riu, disse que minha mãe era uma " trepeça" e que não entendia como meu pai ainda a comia.

Cada vez mais eu parecia com minha mãe e diziam que eu estava ficando muito bonita. Meu pai tinha certeza que eu era a cópia dela, me tratava com carinho, sempre foi um cara ótimo comigo, mas nunca acreditou que eu fosse inteligente e deixava isso claro. Minha irmã e meu irmão mais velho, tinham os olhos verdes dele e ele dizia que os dois tinham puxado a ele ( ele é um homem de sucesso, formou-se na Universidade Federal e conquistou muitas coisas). Minha irmã casou aos 19, com o namorado que tirou sua virgindade, era mocinha, eu era de festa e queria experimentar coisas. Muitas confusões por isso. Eu não era só burra, mas também "banda voou" ( gíria no interior que quer dizer " vagabunda").

Voltando à minha infância, outro dia, no pátio da escola, eu e minha amiga negra, trocávamos papel de carta (eu era a única amiga dela, até hoje não sei porque) e conversava e ela disse que o pai era jogador de futebol de um time conhecido. Foi aí que comecei a perceber que tinham poucos negros na sala e quando tinham eram filhos de ricos.

Mas somos loucos, racismo e machismo não existem mais. Pelo que lembro, nem 30% da minha turma era de negros. Dizem que racismo não tem nada a ver com isso. Assim como quando eu era criança, vem a confusão mental: então quem tem a ver??? Apenas coincidência?

Mulheres são maioria pilotando fogões e lares, mesmo depois de formadas, ainda buscam a felicidade no casamento. Umas dizem que a mulher pode trabalhar, ser delegada, piloto, mas não pode deixar jamais de ser linda, magra, cuidar da casa, filhos e marido. Hoje passeando no shopping, vi uma mulher linda, de corpo escultural, com um marido gordo. Vejo bastante isso e penso que a cobrança para eles é bem menor. Eles podem ser gordos, nós não.

Se não acreditar que preconceitos existem, faça uma pesquisa ao seu redor e me diga onde está essa tal igualdade, oriunda da modernidade.

Vou fazer 40 anos de idade. Da minha infância até hoje, muito fala-se da tal equidade, mas quero saber se um dia existirá mudança de verdade.

1 de mai de 2014

Enfrentando a guerra



Eu não perdi a guerra, mas me abalei. 

Eu saí ontem e como sempre, sinto medo de me sociabilizar. As pessoas falam com frequência, coisas parecidas, escancaram seus machismos, racismos, homofobias transfobias e vem com discurso de " vc tem que respeitar minha opinião". 

Tudo começou ontem a noite. Saí ( depois de séculos sem sair) com meu namorado e meu irmão, para jantar, na tentativa de fortalecer laços de amizade, pois tenho um bom relacionamento (embora, ele tenha pontos de vistas mais parecidos com os da maioria das pessoas) e me dou bem com ele. Mas em seguida, encontramos um rapaz que, há muito tempo evito, pois não curto gente antiquada. Pensei q podia sair por cima, superior, mas não posso, não estou preparada. Era pra eu ter ido embora, mas não fiz isso, permaneci e esperei aquilo q inevitavelmente acontece: papos sobre gênero, sexualidade, comportamento e etc...

Eu só queria dizer que me fiz de forte, dei respostas inteligentes, fui firme, não alterei o tom de voz, mas no final, quando o rapaz, depois de dizer inúmeros absurdos ( mulher e homem já são iguais, a mulher de hj em dia perdeu os valores, bla bla bla, trabalhador é tudo burro, tem q ser tratado na base da porrada, pq é tudo um bando de safado, bla bla bla) fechou com chave de ouro: "Não sou racista, adoro uma neguinha... ahh como adoro uma neguinha!" Ouvi aquilo como uma bomba. O tom de voz transbordava racismo. O rapaz branco, alto, gaúcho, ganha bem, tem na faixa de 40 anos. É surfista, jura que é um cara da paz, respeitador, pois diz que acha bichinhas insuportáveis, mas jamais as agrediriam.

Esse tipo de episódio, nesse estilo, acontece 100% das x q saio e tenho que lidar com pessoas. Minha família e meu namorado, dizem que tenho q mudar, senão, eu não vou ser ngm na vida. O rapaz é empregado de uma das construtoras de meu pai, e meu pai não se cansa de achar a "brutalidade dele" uma característica excelente para lidar com os peões. Vive o elogiando.

O convívio social, os eventos, tem sido uma tortura pra mim. Tudo me deprime, me faz perder o dia seguinte, fico sem vontade de trabalhar, fico improdutiva, com vontade de morrer e de uma maneira que me dá raiva de mim mesma, pois eu não queria sentir isso.

Apesar de ser mulher, sou privilegiada, pois sou cis, magra, meus pais são ricos (eu não usufruo disso como meus irmãos homens, vivo apertada, mas sim, tive ótimas oportunidades na vida por isso) e sou branca.

Eu devia ser mais otimista em vez de deixar a tristeza me dominar. Eu devia fazer terapia e sair do divã leve. Montar na minha bike, na ciclovia da minha cidade (considerada uma das melhores do Brasil em qualidade de vida) me sentindo ótima. Tb podia fazer yoga e usar mais roupas a ver com o estilo zen. Mas não, fico me preocupando com a imbecilidade alheia.

Eu só queria dizer, que, não queria, mas todo dia eu morro um pouco por dentro. Principalmente quando vem as provas de fogo: ter que me sociabilizar. Meus pais, minha família, ngm percebe, pois eu sou muito dedicada no meu trabalho, posto fotos lindas e sorridentes, no meu perfil real no Facebook e sempre falo de planos para o futuro.

Eu só queria dizer, que não sei se vou aguentar, pois não nasci para viver nessa época e não sei viver com os humanos.

Hoje só quero ficar sozinha, sentar, comer coisas nada saudáveis, mais do q posso até me arrepender e chorar. Só queria dizer a vcs, que o mundo é uma merda, mas queria pedir que não sejam fracos como eu sou.




26 de abr de 2014

Sociedade das feministas vivas

Não estamos aptas para a vida em sociedade, ou a sociedade é que não está apta para viver conosco? 

Somos seres livres, não permitimos que discursem sobre como são as mulheres. Não achamos graça na sua piada medíocre, que ridiculariza e estereotipa nosso gênero. Vivemos à frente do nosso tempo. Sabemos que assim, as discrepâncias se evidenciam, mas nada impede que sejamos fortes e felizes.

Rimos de outras coisas da vida, temos senso de humor inteligente. Aliás, não só de humor, temos senso de realidade, consciência. Não nos sentimos superiores por isso, mas nos sentimos orgulhosas de não sermos apenas mais um ser humano imbecilóide nesse mundo permeado de mazelas. Quanto menos significado você dá a sua capacidade de pensar, mais conformação. Não precisa me dizer seu signo, sua cor predileta, , você faz parte do grupo que repete que devemos aceitar o mundo como ele é? Sinta-se um nada, mas não esqueça de agradecer os audaciosos, corajosos que se mexem por você. No mínimo, viva no passado e deixe em paz quem quer viver no futuro.

Qual a vantagem de ser mais um animal racional insignificante? Não ter a sensibilidade de enxergar as peculiaridades humanas, as diversidades, no que tange as esferas sociais, que inclui animais irracionais e racionais instintivos, torna teu cérebro limitado. A natureza é muito inteligente, é um quebra-cabeças. Se completa, se encaixa, sem ela não existiria vida. Sapiência é compreender a importância que cada peça tem nesse mundo. Permita seu cérebro formar novos encaixes, além dos aprendidos, esse é um grande passo para entender o real sentido da palavra RESPEITO.

Pessoas iguais não mudam nada, as que mudam são as diferenciadas. Somos pretensiosas! Queremos mudar tudo: A ciência, a política, as verdades absolutas. Queremos inovação, não uma sociedade manipulada que nos faz de marionetes. Mas, tudo bem, caso goste, continue no seu mundinho pequeno, naquilo que você conhece e fechou sua cabeça, mas por gentileza, saia do nosso caminho. Estamos construindo, ou melhor desconstruindo um novo mundo, que evoluiu - como uma criança que cresceu e suas roupas não servem mais.

Nada nos limita, nada nos prende. Nos chamamos LIBERDADE. Morram de inveja, destilem ódio, ou juntem-se a nós. 

19 de mar de 2014

Radicalismo x feminismo



Partir de princípios que todo mundo é igual ( não no sentido de direitos iguais, mas de ter histórias iguais) trans são assim, mulheres assado, homens não sei como, é uma forma de exercer o preconceito. Cada um sabe de si, cada um sabe de suas opressões. Porém, eu acho que todo homem hétero tem obrigação de reconhecer seus privilégios ( ok, a cultura patriarcal tb o prejudica, é bom quando o macho tem essa consciência, mas não compare com as opressões vividas pelas mulheres, que são infinitamente maiores). Não é reconhecer para vitimizar as mulheres e gays, mas para deixar de ser babaca e parar de perpetuar ideias tão obsoletas.

Estou pouco me importando para debates longos entre pessoas letradas, cultas, que leram Beauvoir, formam grupos A, B, C e se acham melhores do q outras pessoas. Meu feminismo é como minha filosofia de vida para tudo: preza por democracia, justiça, inclusão. Conheço pessoas que sequer sabem o que é feminismo, mas que em meia hora de conversa comigo, refletem sobre seu discurso retrógrado, fazem cara de quem compreende que para mudar o mundo, é preciso mudar a si. Essa é a maior luta: desconstruir para reconstruir.

Está fingindo ser feminista pra se infiltrar em um determinado grupo? Dane-se. Tenho muito mais o q fazer do que me incomodar com isso. Meu protagonismo na luta, ngm tira. É como uma formiga tentando empurrar uma pedra de 1 tonelada. Quando nós mulheres nos unirmos e juntarmos todas as nossas pedras, construiremos nossa fortaleza. Machistas e mal intencionados, independente do gênero que carregam de nascença ou se identificam, não passarão. A barreira

Só assim, as questões menos importantes serão menosprezadas e o progresso feminino tão sonhado e merecido, irá brotar.

19 de fev de 2014

Bruno Gissoni - será que você sabe mesmo o que é machismo?


Vamos lá. Primeira lição: O que é machismo?

O que seria machismo? A partir do movimento de libertação da mulher, nos anos 60, passou a ser usada para descrever os homens que mantém a crença na inferioridade da mulher.

O que seria monogamiaquando um indivíduo só tem um único parceiro durante um determinado período. Este termo usa-se também para referir a existência de um único parceiro sexual durante toda a vida de um indivíduo.


O que seria feminismo? o Machismo não é equivalente ao feminismo, visto que o machismo prega a superioridade masculina e a proteção feminina e dos oprimidos, e o feminismo busca em seu discurso ideológico a igualdade entre os dois sexos. 



Diante da explicações, concluímos que o ator Bruno Gissoni trocou " as bolas". 


O fato do ator defender a monogamia ( ou seja, a fidelidade na relação) não quer dizer que ele seja machista. Mas o fato dele defender o machismo, sim.

A afirmação dele " Um pouco de machismo é bom, senão vira bagunça", quer dizer: 


- Um pouco de inferioridade feminina faz bem.

- Um pouco de violência contra a mulher faz bem
- A mulher ser submissa faz bem
- A mulher ser estuprada, violentada e assassinada por ser mulher, faz bem.

Ok, fãs devem defender o rapaz, pois acredito que ele não sabe o que diz. (Já se foi o tempo que artistas tinham mentes abertas e tinham noção de filosofia, antropologia e sociologia. No curso de teatro deveria ter esse tipo de disciplina para evitar micos como esse agora). Agora só nos resta esperar que ele desfaça o mal entendido, senão a ignorância pega mal para ele mesmo.  As pessoas precisam entender que defender o machismo é a mesma coisa de defender o racismo. São mazelas sociais que precisam ser combatidas.


E para quem quer saber melhor o que é misoginia, um exemplo: 




"Dá vontade de socar". - Misoginia. Ódio escancarado a qualquer tipo de mulher que fuja o padrão do que ele considera " correto". É bom lembrar que diariamente, muitos assassinatos ocorrem por causa de pensamentos machistas como o dele. " socar", " violentar", "agredir", são verbos conjugados por homens machistas. É bom lembrar também que não existe mulher que "merece" apanhar. Meu caro/ minha cara, se você não curte o comportamento de sua mulher/homem, simplesmente caia fora da relação. A violência, nunca é justificável, embora em uma cultura ainda patriarcal como a nossa, já tenha sido por lei. Mas os tempos são outros. Ainda bem!

Homem que tem pegada, o que seria? Apenas homem que tem pegada. Não seria um homem machista, ok?

Violência doméstica, o que seria? Apenas violência. Tapinhas ( ou tapões, ou práticas sado, ou qualquer coisa) consentidos ( isso mesmo, CONSENTIDOS) durante o sexo, por exemplo, não é violência.




Querida Mone: homem não " vira gay" ou ele é gay, ou ele não é. Ele pode ser bissexual, mas aí é outra coisa. Mas se você não curte, não tem problema, mas adorar homem machista é dar um tiro no pé. É concordar com a desigualdade, com a submissão e violência. Sugiro que estude antes de sair fazendo comentários que queimam o filme de nosso gênero. Ahhh e não é "hoje em dia", homossexualidade, sempre existiu, mas só hoje em dia se busca direitos. Por isso a sua confusão.

Se ainda ficou alguma dúvida, vou tentar explicar melhor: Homem " másculo" não quer dizer necessariamente machista. Sim, ele pode ter a " tal pegada", vocês podem ter total liberdade na cama, para fazer o que quiserem. Mas se você diz adorar o machismo, você afirma que ele pode mandar em você, machucá-la, agredi-la. Acredito que assim como o ator, você não quis dizer isso. 






16 de fev de 2014

Você precisa de quê?

Tem sido comum escutar por aí, que quem é a favor de cotas, Bolsa Família é "preconceituoso".

Vamos lá, ninguém precisa pensar igual, mas nós, (esquerdistas, socialistas, sociólogos, comunicólogos e etc) pensamos exatamente o contrário. Arrisco dizer que 90% das pessoas que conheço repete essa ideia) por isso, vou tentar elucidar o meu ponto de vista:

Sobre o Bolsa Família- Não conheço maneira melhor de tirar pessoas da miséria, dando um mínimo de dinheiro para que possam comer/sobreviver.

Sobre o sistema de cotas para negros, mulheres e estudantes de escolas públicas- Não conheço maneira melhor (e mais rápida) de equilibrar uma balança ( imagine uma balança com duas bandejas iguais), tirando parte do peso de uma bandeja e elevando-o para a outra bandeja. Quando ela ficar no meio, equiparada, aí sim, podemos partir do princípio de que qualquer medida que “privilegie” determinados grupos, são injustas. ( Por enquanto a balança tem pesos bem diferentes e o acesso até a parte melhor, é bastante difícil, quase impossível).


PS: Antes que alguém argumente que conhece negros ricos e mulheres na política, eu adianto: É claro que existem, mas estamos falando de MAIORIA. Falamos de desigualdade com raízes profundas na nossa história. Para nós, as minorias prejudicadas socialmente (não é vitimismo, é fato, a disparidade se mede com pesquisas e estatísticas) necessitam de políticas sociais urgente.

Também ouço com frequência, pessoas dizerem que a mulher não é igual, é "melhor". Não somos melhores. Não queremos ser.

Ah e tem outro argumento que ouço bastante: dizem que uma mulher na presidência do Brasil representa o poder feminino e o fim do machismo. Agora eu pergunto: nos EUA o racismo acabou por que o país tem um presidente negro?

Reflitam, discordem, mas não mais chamem de preconceituosos aqueles que pensam e analisam diferente de você.

A culpa é dos outros...

Diálogo entre duas pessoas.

Fulano - Sou contra crianças serem adotadas por casais gays, não por que tenho preconceito, mas por que as pessoas têm preconceitos. Essas crianças irão sofrer na escola e na vida.

Beltrano- Por que irão sofrer?


Fulano- Por que sofrem, oras.

Beltrano- Que pessoas são essas que as farão sofrer?

Fulano- As pessoas, oras. (semi-irritado).

Beltrano - Você por exemplo?

Fulano- Não, claro que eu não, são as pessoas! ( irrita-se pra valer).

Beltrano- E se as pessoas forem nós, podemos mudar isso?

Moral da história: As pessoas somos nós. Logo, a mudança somos nós.

#exerciteoprogresso

Postagem machista Gol

"Sabia que o polimento de janelas da aeronave é feito apenas por mulheres, para garantir sensibilidade?"


#machismonossodecadadia Quando eu digo que é machista ficar dizendo que somos mais sensíveis, mimimi e blablabla é por isso. Infelizmente vejo as próprias mulheres espalhando essas ideias imbecis sobre "biologia feminina". Queria entender porque, pois não ajuda em nada, só atrapalha e estereotipa.

https://twitter.com/VoeGOLoficial/status/403903711421812737


A tua lucidez é um convite à conformidade, a minha insanidade, um convite à felicidade.
O que mais sinto falta, da minha juventude, não é da minha aparência. É da cumplicidade das amizades da adolescência. A gente cresce e não pode mais contar nossos problemas, nossas angústias, infelicidades, incertezas. Também, não pode contar pra outro amigo (a) como fulano (a) foi injusto. Não podemos mais nos meter em confusão. Não temos mais idade. Temos que engolir todos e tudo. Temos quee fingir. Praticar a hipocrisia.

A gente tem que aparentar felicidade e sorrisos sempre, principalmente nas redes. Se conter, é a palavra da vez. Não pode reclamar, não pode lutar, não pode nada, afinal, tudo que foge dos moldes, que questiona, é exagero, loucura. 

O correto é "manter o equilíbrio". A adultescência é isso e muito mais: É também, competição. O melhor companheiro, os melhores filhos, os melhores restaurantes, o gosto mais requintado. O cabelo mais legal, o corpo mais em forma depois dos 30, 40. A família mais rica, a mais perfeita. Tudo ficção. A realidade é que felicidade não é somente dizer e demonstrar que se está feliz. Não passamos de robôs programados pra viver de acordo com o que nos exigem e não o que realmente queremos ser. Principalmente depois que crescemos e nos convencem que toda e qualquer rebeldia, é imaturidade.

Aceito minha idade física, mas minha cabeça quer estar eternamente com o frescor, a intensidade, insegurança, a verdade, os desafios, a sinceridade e os sorrisos da adolescência. E para vocês, seus adultos chatos, eu dou língua!



Qual é a tua, Maneco?




Começo de novela eu não sei ainda qual a intenção do autor Manoel Carlos com a novela " Em família", mas preciso questionar, como feminista e pesquisadora (amadora) de comportamentos de gêneros.

1- Heleninha se culpa toda hora por Laerte ter cometido um crime contra um cara que considera ser seu rival, Virgílio. Será que o autor quer mostrar que a mulher tende a se culpar ( indevidamente), ou realmente demonstra que ela tem culpa?

2- No ponto de vista jurídico, em um julgamento, de uma pessoa acusada de tentativa de homicídio, é possível o juiz levar em consideração as testemunhas que dizem que a mulher tem culpa, por ter " provocado" (não como cúmplice na tentativa de assassinato, mas por que amava a vítima e o tratava de maneira especial)?

3- A cena do estupro coletivo, ontem, teve a intenção de passar uma mensagem social, mostrando que a mulher ainda é vítima de crimes selvagens e injustificáveis como esse, ou simplesmente quis dizer que a mulher que anda sozinha a noite, está sujeita e por isso, não deve mais?

Eu sempre prometo a mim mesma que não vou mais postar nada e vou me preocupar menos com o conteúdo da mídia (consequentemente com a moldagem e reforço de nossa cultura atual), mas fico realmente reflexiva em relação ao papel e peso que uma novela tem sobre a formação de opiniões das pessoas...


12 mandamentos dos adolescentes que moram sozinhos com as mães:



1- Não pensais que tua mãe é empregada doméstica.

2 -Colabore com os afazeres domésticos para não sobrecarregá-la.

3- Coloque menos defeitos, proponha mais soluções.

4- Se não gostar da comida/arrumação, faça você mesmo.

5- Não queira tudo na mão, contribua com a execução de tudo que quer.

6- Não compare sua mãe com avó ou outras mães, aprenda a extrair o lado bom da que você tem.

7- Faça feira com ela, em vez de reclamar quando falta alguma coisa.

8- Entenda que falta tempo para a mãe que trabalha e sustenta seus filhos. Ela jamais conseguirá ser a mãe do comercial de margarina.

9- Queira dinheiro apenas se merecer. Exercite a empatia e o senso crítico.

10 - Não ignore suas responsabilidades, não culpe sua mãe por seus erros.

11- Seja sensível e tenha o hábito de se colocar no lugar dela.

12- Seja carinhoso sempre, não só quando precisar de alguma coisa.

Nós mães, que criamos sozinha, as vezes até assumindo responsabilidade emocional e financeira em dobro, agradecemos a compreensão.

Racismo, até quando?




O racismo não é só aquele explícito. É velado. Conheço um menino moreno, lindo que disse que gostaria de ser " mais claro". Mas o pior, o pensamento dele não é único. Já ouvi outras pessoas que comentaram isso. Por que será? Não basta ser lindo. Desde criança aprendemos que beleza está associada a brancura. Infelizmente, sim. Não é preconceito dizer isso, é consciência (antes que alguém venha com a ladainha de dizer q o preconceito está nos olhos de quem vê). As mensagens são subliminares, e a sociedade, em vez de progredir, estagnou. Antes o preconceito era escancarado, hoje é velado. São necessárias cotas, para que insiram modelos negros nos desfiles. E isso causa polêmica entre os estilistas " renomados" do Brasil. Isso mesmo, o que era pra ser natural, precisa de cotas. Tem quem diga que é questão de " gosto", escolher modelos brancos e com padrão europeu. Tem quem diga que achar cabelo afro solto, feio, também é questão de gosto. Eu, particularmente, acredito que é questão de racismo.

Sou morena, sou mestiça, sou nordestina, sou brasileira e a verdade é que a publicidade do Brasil (principalmente do Nordeste) não nos representa. Sugiro que as empresas comecem a inserir negros, morenos médios ou escuros em suas "escolhas". Não por cotas, ou por obrigação, mas pela beleza da cor da pele e dos traços. Exercitemos um novo olhar. Além disso, quer beleza maior do que admirar a luta de gente que merece ascensão?


Não nascemos feministas, nos tornamos.



Sou feminista, mas demorei pra chegar aqui. Sinto orgulho de minha evolução e gostaria de estimular outras mulheres a aderir à causa. Para começar, queria que todas entendessem que até muitas de nós, feministas, fomos machistas no passado. Nem sempre a gente fala ou age de forma machista por querer, mas por reproduzir um padrão que aprendemos com certo. Bora questionar certas frases naturalizadas?

Dos machismos que já falei (e já ouvi outras falando) no passado:

-Meninos precisam de uma referência masculina em casa.
-Não devemos provocar os homens, pois são mais violentos.
-Depois reclama quando leva uma dedada ou é estuprada (em relação as moças q gostavam de usar roupas muito curtas no carnaval por exemplo).
- Acho o aborto um crime, pois se ela fez, sabia o que estava fazendo ( percebam como eu culpava apenas a mulher).
- Toda mulher tem seu relógio biológico, vai chegar uma hora q ela vai querer ser mãe.

Dos machismos que já escutei de pessoas que conheço/gosto/amo/não sinto nada:

- A mulher tem que se dar valor ( no sentido de não poder ser livre sexualmente)
- Todo filho sente falta de pai
- A mulher é mais emoção, o homem mais visual ( quando se fala sobre sexo)
- A ciência comprova as diferenças comportamentais entre meninos e meninas
- Meu marido não deixa eu usar tal roupa, fazer tal coisa...
- A mulher é menos " tarada" ( não percebem q com essa, justificam até o estupro).
- A menina tem a natureza mais quieta, o menino mais agitado
- Toda mulher quer/gosta/sonha... ( alguma generalização, tipo quer casar...)
- Os homens não gostam de mulher que dá de primeira, isso é fato.
- A menina é mais difícil de limpar ( sobre quando são bebês)
- Querida, as outras eram todas vagabundas, amor de verdade, só com vc
- Como não quer ter filhos? Que insensível!
- O homem não se segura, é da natureza dele, a culpa é da vadia que deu em cima.
- Mãe é mãe! ( justificando pq ela sempre é mais presente na educação dos filhos).
- Ah, é diferente sim... ( sobre tudo em relação a gêneros)
- Quem gosta de homem é viado, mulher gosta de dinheiro.

Fique à vontade pra incluir mais itens na lista. A intenção é a gente se divertir com nossas falhas e tentar melhorar, em busca de um mundo mais igualitário entre os gêneros.

Bolsa Família

A campainha tocou agora e era uma mulher, de aparência muito maltratada, cansada, com 2 crianças, pedindo dinheiro. Arrumei uns trocados e dei a ela. Aproveitei e perguntei se ela trabalha e se ganha Bolsa Família. Ela disse que ganha, mas já tinha acabado e que por a identidade dela estar muito velha e rasgada, não admitiram ela no emprego, a última vez que ela procurou. Está aguardando sair a nova identidade para poder sair de novo em busca de um emprego.

É de cortar o coração.

Eu fico pensando: são essas pessoas que para os brasileiros da nova ou velha classe média, são chamadas de vagabundas? Uma pessoa q se submete a estar batendo de porta em porta, pra pedir dinheiro, é vagabunda? Será mesmo que é querer "se dar bem" pedir dinheiro, ou é uma humilhação necessária? O que uma criatura dessas sabe fazer? Digamos que sabe fazer faxina e esteja empregada, será que o que ganha é suficiente para ter uma vida digna? Será que tem vaga na creche, para que ela possa deixar os filhos e trabalhar? Será que ela teve ensino de qualidade durante a vida? Será que ela tem condição de fazer um curso e se capacitar em alguma coisa? Será que o pai dessas crianças assumiu os filhos? Será que basta ela se esforçar?

Eu, sinceramente, me sinto muito mal com isso. O que eu posso fazer, ainda não sei, mas invisível, para minha pessoa, pelo menos, ela não é. Essa sensibilidade, eu acho que já é um começo.



"Para evitar certos tipos de problemas, evite certos tipos de pessoas"

Li

Curso rápido sobre covardia

Como ser uma pessoa covarde:

- Não aceite soluções, permaneça achando que o mundo quer acabar com você.

- Espere dos outros a mudança, mas não seja você a mudança do mundo.

- Não encare as pessoas de frente, prefira falar sobre elas com os outros, sem que elas saibam.

- Não se comunique, não utilize o diálogo, se emburre e faça biquinho como se fosse criança.

- Não responda com raciocínio e contra-argumentos, apenas cale-se, ou no máximo chame o outro de " louco" e continue imerso em sua limitação.

- Aceite o mundo como ele é, não tente mudá-lo.
- Seja neutro (a).


- Acredite em todos os jornais, revistas, notícias e não cheque a veracidade.


- Tenha medo de exercer sua liberdade.


- Acredite que faz demais pelos outros.


- Não procure conhecimento por achar que tem demais.

- Acredite mais nos outros do que em você e na sua intuição.


- Desista da solução e foque mais no problema, assim todos reconhecerão o quanto você é um ser injustiçado. Ou finja que não existe problema.


- Siga um padrão jurando que tem "opinião própria" e personalidade.


- Seja acomodado e não batalhe pelos seus objetivos.


- Queira recompensas sem esforço.


- Não faça amizade com os diferentes.


- Não sorria, não seja humilde, tenha ar superior, cara de nojo e enxergue melhor os defeitos dos outros do que os próprios.


- Não mude sua vida, culpe sempre o próximo para justificar seus fracassos e más escolhas.


O que seria preconceito naturalizado?

Vou dar um exemplo: Um misto de machismo e homofobia naturalizados.

Estava conversando com uma costureira que está prestando uns serviços, ela pergunta de meus filhos. Eu respondi que são tranquilos, mas estão na fase da adolescência. Falei que um é mais caseiro e o outro é mais festeiro. Ela perguntou se já namoravam e eu disse que um deles, sim. Escutei um: " Ah, é até bom, com essa onda de gay que está surgindo, é melhor mesmo que goste de sair, beber e seja namorador, né? (risos)".

Eu queria lembrar que homofobia é um conceito abrangente. Não é só quem espanca gay. É também quem morre de medo de ter um filho gay. É quem transfere a culpa para os outros, do tipo: "não sou eu o preconceituoso, é a sociedade". A parte machista, é que se em vez de filhos homens, eu falasse de duas meninas, certamente, a resposta não teria sido essa, ela teria elogiado só a mocinha caseira.

Machismo não é só homem que espanca mulher. É quem contribui com os valores patriarcais. É também quem diz que um filho só é feliz quando é criado com referência paterna e materna ( ou seja heteronormativa). É quem acha que existem mulheres ( as " vadias" por exemplo) que merecem morrer, apanhar ou serem estupradas. É quem cria meninos e meninas de forma sexista.

Racismo não é só quem discrimina negro. É achar feio o cabelo crespo solto. É achar que boa aparência e beleza tem a ver com pele clara e cabelos lisos.

Sugiro que nós, seres humanos, exercitemos nosso senso crítico, revejamos nossos valores. Muita coisa está errada em nós. O grupo que comete o ato de violência final, faz parte só da ponta do iceberg. Imerso nele, estamos todos nós.

Enquanto a gente não rever nossas posturas, jogar fora " verdades absolutas", termos humildade para reconhecer nossos erros, continuaremos produzindo relações humanas, afetivas e profissionais, pautadas na desigualdade, violência e injustiça.



Piadas podem fazer rir, ou perpetuar preconceitos.

A obrigação de achar qualquer piada engraçada, me deixa desacreditada na humanidade. Não é uma questão de liberdade de expressão, isso é liberdade de opressão. Danilo Gentili mais uma vez atacou com seu senso de humor super-mega-hiper-demais! #SQN (Na nossa cultura é assim. Se não achamos o tal humorista engraçado, somos chatos, infelizes, amargurados e etc... ).

Minha psicóloga, uma vez, me disse uma coisa que mudou minha vida. Ela me disse: "Se vc se sente ofendida, é pq sim, vc foi ofendida e tem direito de se sentir assim". Me senti aliviada por saber que tinha esse direito, negado por tantos, e que já me causou tantos problemas. O mesmo penso sobre a doadora de leite, que foi a bola da vez, nas piadas sem graça de Gentili. Se ela não gostou da piada, tem todo direito.

Acho que o humor tem obrigação de ter limite. Não para tolher a liberdade de ninguém, mas para que façamos valer um capítulo importante na lição que todos nós precisamos aprender para viver melhor em sociedade: RESPEITO.